“A Procuradoria está nos sovacos do Presidente”

1
783

Responsabilização nas dívidas ocultas

“A Procuradoria está nos sovacos do Presidente”

Maputo (Canalmoz) – Ao invocar a separação de poderes para responder à falta de resultados nas investigações sobre o escândalo das dívidas ocultas, o Presidente da República está a esconder-se, com um falso argumento, de resolver um problema em que ele também está envolvido. Esta tese é defendida pelo economista Roberto Tibana.

Num texto publicado, na terça-feira, na sua página do Facebook, intitulado “Sobre a [in]dependência da Procuradoria-Geral da República em relação ao Presidente da República”, Tibana diz que efectivamente não existe separação de poderes entre o Presidente da República e a Procuradoria-Geral da República. Segue-se o artigo na íntegra.

“No discurso que leu no dia 20 de Dezembro de 2017 perante a Assembleia da República o Presidente da República aborda o desafio criado pelas dívidas secretas e ilegais contratadas pelo seu antecessor e sua equipa securitária (de que ele era parte como ministro da Defesa). Ao fazê-lo, o Presidente da República roça no problema-mãe de todos os problemas: o das deficiências da Constituição da República de Moçambique. Essas deficiências são várias. No passado referi-me à limitação do direito de ser politicamente independente. O caso de hoje é o da emasculação das regras de pesos e contrapesos na distribuição e exercício do poder. Vou dar o exemplo da [in]dependência da Procuradoria-Geral da República (PGR) em relação ao Presidente da República.

Nos parágrafos 73 e 74 do referido discurso lê-se (e cito): “… reiteramos hoje a total disponibilidade do Governo de apoiar a Procuradoria-Geral da República para a implementação célere das recomendações da KROLL e da Comissão de Inquérito Parlamentar, observando o princípio de separação de poderes, constitucionalmente consagrado. …no quadro da não interferência do Governo no poder judiciário.” Para o nosso Presidente isto materializa um tal “princípio da boa governação e da separação dos poderes em Moçambique”.

Este pronunciamento revela uma clara deficiência da interpretação que o Presidente da República faz dos poderes e responsabilidades que a Constituição da República lhe confere. Contrariamente ao que o Presidente da República pretende fazer-nos crer, a Procuradoria-Geral da República de Moçambique está efectivamente sob sua tutela. A PGR não é separada do executivo, não é independente nem tem poder de contrapeso aos poderes do Presidente (que é Chefe do Executivo). Antes pelo contrário. Por exemplo, por definição da própria Constituição o Presidente da República nomeia, exonera, e demite o Procurador e o Vice-Procurador Geral da República, sem nenhuma intervenção dos outros órgãos de soberania que fazem parte do sistema de pesos e contrapesos na distribuição e exercício do poder.

Um outro exemplo gritante do papel da PGR como instrumento do Presidente é o seguinte: enquanto a Constituição consagra o poder da Assembleia da República de exercer a acção penal contra o Presidente da República, pelo nr. 3 do artigo 153º da mesma Constituição a Assembleia da República se pretender exercer este poder deve ainda requerê-lo junto da Procuradoria-Geral da República (o dito titular da acção penal).

Mais ainda, diferentemente do caso dos Tribunais em que a Assembleia da República tem o poder de ratificação da nomeação dos presidentes dos tribunais feita pelo Presidente da República, ou em que o judicial (Conselho Constitucional) pode declarar inconstitucionalidade dos actos do Presidente da República (e do seu Governo) e da Assembleia da República, as decisões do Presidente da República em relação a quem dirige a PGR (e portanto em relação ao que a PGR faz ou não faz) não têm quem por lei as possa desafiar (a não ser no fórum improvável de uma possível declaração da sua inconstitucionalidade). É por isso que a gíria diz que em Moçambique o(a) Procurador(a) Geral da República vive nos sovacos do Presidente da República. Atura todo o mau cheiro, mas mesmo se o quisesse fazer não pode lavar o lugar porque não é o dono do corpo, e de resto a pessoa que lá vai sabe que aceitou ganhar a vida por desempenhar esse papel.

Não sei de onde é que este modelo foi copiado (já que as nossas leis são principalmente feitas assim) e se foi copiado bem. Acontece porém que ele resultou numa situação bizarra em que a Assembleia da República (que é um órgão de soberania – um dos cinco definidos pela Constituição, artigo 133º), tenha que requerer o exercício das suas faculdades constitucionais a um órgão que lhe é constitucionalmente inferior (a Procuradoria Geral da República não é um órgão de soberania).

Mesmo sendo um modelo ou formato defeituoso com o qual não concordo plenamente, o facto porém é que o Presidente da república tutela a Procuradoria-Geral da República, e portanto não tem que a ela “reiterar disponibilidade de apoiar”. A responsabilidade do Presidente da República (derivada das suas competências constitucionais) é dar instruções e fazer cumprir, e não fazer apelos e prometer apoios à distância. Não é credível a “separação de poderes” que ele advoga. A [in]acção da PGR é a expressão da vontade do Presidente da República.

É por isso que ele se refugia na nebulosa “boa governação e separação de poderes” que não é um conceito da Constituição da República de Moçambique. “Boa governação” é uma expressão que não aparece uma única vez na nossa lei-mãe. Mesmo a palavra ‘governação’ só aparece uma única vez (no Artigo 74º), de um texto com mais de vinte mil palavras.
Quanto à distribuição do poder, o artigo 134º da Constituição da República de Moçambique apela aos princípios de separação e interdependência de poderes.

O objetivo da separação de poderes é evitar que o poder se concentre nas mãos de uma única pessoa, para que não haja abuso, como o que ocorre no Estado Absolutista em que todo o poder concentra-se na mão do rei. A interdependência é necessária para que embora actuando de forma separada, independente e harmónica, os diferentes órgãos de poder mantenham as características do poder unitário e indivisível. Boa governação é o resultado da observância e respeito (em primeiro lugar pelos governantes) de uma Constituição que estabelece princípios e regras de um Estado verdadeiramente independente, soberano, democrático e de justiça social.

Dito isto, justiça manda dizer que nas suas circunstâncias o actual Presidente da República não pode agir para combater ou minimizar os efeitos dos grandes atentados contra o bem-estar da nação inteira por um grupo de pessoas em seu benefício privado. Não é que não tenha poder. Ele está desmotivado pela vulnerabilidade em que lhe deixa a sua associação partidária com os agentes do mal. Esse desincentivo para agir na direcção apropriada é muito mais forte no caso das dívidas secretas e ilegais e outros escândalos dum regime de que ele fez e continua a fazer parte”. (Redacção)

1 COMMENT

  1. 由全球生長因子與胜肽韓國廠商CAREGEN研發,利用美國專利「KP7-4胜肽技術」,獨特滲透配方提供高穩定、高滲透、高效能的胜髮環境,模擬人體生髮機制,目的使頭皮、毛囊恢復健康及作用活性,重啟生髮系統。DR CYJ髮胜肽療程的治療原理為 利用複合活性成分配方恢復毛髮平衡, 根據生態生物工程原理研發, 關鍵胜肽名為KP7-4,結合了七種專利胜肽, 實驗證明能有效模擬「人體胜髮因子」,掌握育髮四關鍵:毛囊強健、減緩異常落髮、強化髮根、供給毛囊血管營養,模擬毛髮循環機制,同時減緩異常落髮及強化髮根。DR.CYJ髮胜肽不含藥性且無副作用,能有效促進增髮

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

15 − 5 =