Última Hora: Esquadrões da morte condenados a 24 anos de prisão e os mandantes saem impunes

0
916

Xai-Xai (Canalmoz) – O Tribunal Judicial da Província Gaza acaba de condenar os membros da Polícia afectos à companhia do Grupo de Operações Especiais, da Unidade de Intervenção Rápida, que também pertencem ao grupo de esquadrões da morte envolvidos no assassinato de Anastácio Matavele. Alfredo Macuácua (comandante da UIR em Gaza), Tudelo Guirugo (comandante do GOE) e Edson Silica (membro do GOE) foram condenados a 24 anos de prisão. Euclídio Mapulasse (membro do GOE) foi condenado a 23 anos de prisão. Estes esquadrões da morte encontravam-se presos preventivamente desde o assassinato de Anastácio Matavele. Januário Rungo e Justino Muchanga, chefe do Estado-Maior da UIR em Gaza e chefe do armamento respectivamente foram condenados a 3 anos de prisão. Ricardo Manganhe, funcionário do Conselho Autárquico de Chibuto, e proprietário da viatura usada pelos esquadrões da morte no assassinato de Matavele, foi absolvido. Os réus foram igualmente condenados ao pagamento de uma indemnização no valor de um milhão e quinhentos mil meticais. Os advogados da família Matavele haviam pedido a condenação do Estado ao pagamento de uma indemnização de 35 milhões de meticais. Mas a Juíza Ana Liquidão entendeu o contrário alegando que os agentes da Polícia estavam numa missão privada. Só que a juíza não explicou porque razão, tendo os esquadrões da morte, estado em missão, tiveram advogado pago pelo Ministério do Interior, no caso Elísio de Sousa. (André Mulungo, nosso enviado à Xai-Xai)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

vinte − 4 =